Guns N’ Roses: banda decepciona mas retoma origens em novas faixas

Grupo liderado por Axl Rose decepciona na ruim “ABSURD”, mas retoma as raízes em “Hard Skool”, que traz de volta ao holofote a “banda mais perigosa do mundo”

Desde a reunião (em partes) da formação clássica do Guns N’ Roses em 2016, o frontman Axl Rose segue acompanhado por Slash e Duff McKagan, tocando com o grupo ao redor do planeta sem que ex-membros como Izzy Stradlin, Steven Adler ou até mesmo Matt Sorum deem as caras ou retornem ao line-up de forma definitiva, o que acaba gerando dúvidas e certa expectativa nos fãs mais fervorosos.

Tendo em vista que o grupo sempre foi conhecido por seus excessos, sua trajetória é coberta por polêmicas (entre seus integrantes e na mídia), e mesmo com a reunião de seus membros o futuro da banda continua incerto, embora ainda seja promissor.

Em agosto de 2021, Axl e companhia lançaram “ABSUЯD”, a faixa “inédita” já é conhecida pelo público desde o início do milênio, pois se trata de nada menos que uma sobra do tão polêmico Chinese Democracy (lançado somente em 2008). Previamente intitulada como “Silkworms”, a track entrou em setlists de alguns shows da banda, incluindo sua segunda passagem pelo Brasil no megafestival Rock In Rio (3° Edição, em 2001), num show apoteótico e emblemático, que marcava “a volta da banda” já sem Slash e Duff como integrantes.

Guns N' Roses

“Silkworms” tinha uma sonoridade voltada totalmente ao rock industrial e nu metal com influências do punk e muitos elementos eletrônicos, além de uma letra parcialmente diferente de sua mais recente versão. Depois de ter sido retrabalhada pelos membros originais, a composição de Dizzy Reed e Chris Pitman foi rebatizada como “ABSUЯD”, ganhando uma roupagem mais voltada ao punk-rock propriamente dito, com influências sonoras agressivas do hard rock característico da banda em seus primeiros álbuns de estúdio, mantendo ainda algumas das sonoridades eletrônicas que antes predominavam.

Enquanto as linhas de baixo e guitarra podem ser reconhecidas como sonoramente “filhas” de Duff McKagan e Slash, respectivamente, a faixa não inova em nenhum quesito e passa longe da referência sonora que a clássica formação do Guns possui, causando muita frustração e críticas por grande parte do público e também da mídia especializada. A track também ganhou uma espécie de “videoclipe” divulgado no seu canal oficial do YouTube, que na realidade é apenas uma animação em CGI de uma espécie de Medusa, trecho que é exibido pela banda nos telões enquanto performa a música ao vivo nos shows.

Você pode conferir a faixa abaixo:

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Um mês após o lançamento de “ABSUЯD”, o Guns N’ Roses liberou em seus canais de streaming a música “Hard Skool”, mais uma sobra da era Chinese que foi retrabalhada. Previamente, a composição tinha como codinome “Jackie Chan” e/ou “Checkmate”, por conta da incerteza que ronda o material inédito da banda (assunto muito controverso desde a década de 90, com diversos nomes e trechos de faixas sendo vazados de forma ilegal durante os anos 2000).

Embora as linhas vocais não terem sido regravadas (assim como no single antecessor), “Hard Skool” reaproveita material do final dos anos 90 e começo dos anos 2000, mantendo todo o potencial vocálico do líder do Guns em uma sonoridade agressiva e ríspida que remete à melhor fase do cantor. Com aproximadamente quase 4 minutos de duração, “Hard Skool” inicia com um riff de baixo que remete à trabalhos como “It’s So Easy” enquanto as guitarras transitam pelo hard rock característico de álbuns como Appetite For Destruction (1987) e Use Your Illusions I e II (1991), com um solo que vai da fúria de “You Could Be Mine” à melancolia de “Estranged”.

“Hard Skool” soa como o clássico Guns N’ Roses de volta aos tabloides categorizada como a banda mais perigosa do mundo, e, diferentemente da track lançada anteriormente, agrada já na primeira audição até o mais cético dos ouvintes.

Você pode conferir a faixa abaixo:

“Hard Skool” e “ABSUЯD” integrarão o EP Hard Skool, anunciado com previsão de lançamento para fevereiro de 2022, e que contará também com duas versões live dos clássicos “Don’t Cry” e “You’re Crazy”. Enquanto nada ainda tenha sido confirmado de forma concreta sobre um possível novo álbum, milhares de fãs esperam um retorno com material de estúdio totalmente inédito por parte da banda.

Nesse meio tempo, Slash confirmou ter trabalhado ao lado de Myles Kennedy & The Conspirators no que tende a ser o quarto álbum de estúdio da carreira solo do guitarrista (que tem previsão de lançamento para 2022) e seu primeiro single “The River Is Rising” já deu as caras no último dia 22 outubro, então se você é um fã ansioso, talvez consiga suprir um pouco da sua necessidade nos próximos dias enquanto novas informações ainda não foram divulgadas.

Total
0
Shares
Related Posts