A cena norueguesa e seu mais novo prodígio: This Daze

Primeiro veio AURORA, depois Sigrid, girl in red e, agora, a Noruega oferece This Daze ao mundo. Entenda porquê a banda de pop rock é uma das queridinhas do momento na Escandinávia.
ThisDaze_ROCKNBOLD.jpg
This Daze

A cena musical escandinava vem sendo aquecida ao longo dos anos. Nomes como ABBA e Roxette, ambos da Suécia, se popularizaram globalmente entre os anos 70 e 90. Com o mundo prestando mais atenção na região, a península começou a se tornar ponto de referência para gêneros além do pop rock e, hoje em dia, concentra muitos dos principais grupos de heavy/death metal e hard rock da atualidade, como Ghost, In Flames, e Arch Enemy.

De alguns anos para cá, a Escandinávia tem passado por mais uma espécie de “revolução musical” e o ritmo queridinho da vez parece ser uma mistura de pop rock, indie, e alternativo. A tendência começou com AURORA, que em 2015 estourou com o single “Runaway“. A partir de então, o indie pop norueguês foi fortalecido e vários artistas locais começaram a ser reconhecidos mundialmente. Alguns exemplos disso são Sigrid, com “Don’t Kill My Vibe” (2017), girl in red com “i wanna be your girlfriend” (2018) e, em um futuro próximo, possivelmente o grupo This Daze.

This Daze

A banda surgiu em 2018, em Trondheim, quando um grupo de amigos que se conheceu em uma Folkehøgskole musical, um tipo de “escola técnica”, resolveu sair de suas respectivas bandas de origem e tocar juntos. “Young” (2019) foi seu single de estreia e mostrou ao quarteto seu potencial na música.

A faixa garantiu ao This Daze o convite para abrir o show de Honningbarna, respeitada banda de punk rock norueguesa, conforme eles contam em entrevista exclusiva ao ROCKNBOLD: “Nós só tínhamos lançado “Young” na época, e nunca tínhamos tocado juntos, ao vivo, antes. A alegria que a gente sentiu em tocar em uma das maiores casas de show de Trondheim, na frente de 1.000 pessoas, nos deixou muito empolgados para continuar fazendo shows“.

Um ano depois do lançamento de “Young”, Erlend Eggan, Martin Engelien, Martin Ringerud e Hallvard Løberg disponibilizaram nas principais plataformas digitais seu EP de estreia, homonimamente chamado “This Daze“. Em novembro de 2021, o grupo lançou “Skiptracing“, faixa a qual falamos um pouquinho sobre e explicamos porquê você deve ouvir em nossa lista HOT HOT.

Criando “Skiptracing”

Skiptracing” contou com produção de Matias Tellez, colaborador de longa data de girl in red. Segundo o quarteto, que fez vários elogios a Matias, a participação do produtor na faixa fez toda a diferença: “A estrutura da canção não mudou muito desde a demo original, mas o Matias realmente nos mostrou como fazer o potencial da música brilhar. A faixa era um pouco estática na demo original, mas o Matias a tornou mais dinâmica. “Skiptracing” não seria a mesma se não tivéssemos gravado com o Matias”.

Anteriormente, todas as músicas da banda eram gravadas no quarto do vocalista, Erlend, o que, segundo eles, “dava um aspecto mais ‘faça-você-mesmo’ às faixas“. Inclusive, esta é uma das diferenças sentidas pelo grupo, já que Matias “elevou o nível” das gravações e “colocou as peças musicais no lugar“. Eles ainda deram a entender que este é apenas o começo da parceria com Tellez, e que próximos lançamentos terão uma menor influência do pop.

Apesar de “Skiptracing”, em específico, ser bastante influenciada pelo pop punk, outras faixas como “Less About You” se distanciam um pouco mais do gênero, e costumam ter uma sonoridade mais pesada, com guitarras mais afiadas e baterias bem barulhentas. A impressão que dá é que This Daze quer resgatar o punk dos anos 90, mas com uma pitada de contemporaneidade.

Apesar de terem Nirvana, The Strokes, e Oasis como referências musicais, This Daze busca trilhar seu próprio caminho; honrando suas influências mas tendo como foco criar músicas únicas e que eles mesmos gostariam de ouvir: “quatro pessoas juntas num mesmo lugar conseguem criar um som diferenciado devido às influências [musicais] distintas, de todos os membros, sendo misturadas“.

A volta dos shows ao vivo

O quarteto teve a oportunidade de voltar a fazer shows e comentaram sobre a experiência: “Nós fizemos alguns shows com público sentado durante o verão, mas mal podemos esperar para tocar para público em pé de novo. Tocar para público em pé é algo realmente diferente, e receber feedback das pessoas assistindo ao show por elas estarem dançando e coisas do tipo, fazem a gente se sentir mais confortável no palco.”

E completaram, contando como tem sido tocar “Skiptracing” ao vivo: “Ela é animada, divertida, e realmente faz a gente se mexer no palco. Não levamos em consideração o fator “ao vivo” durante o processo criativo, mas achamos que ela se encaixaria perfeitamente na nossa setlist e estávamos certos“.

A cena musical norueguesa e o futuro

E o que o This Daze achava da Noruega estar exportando tanto talento musical ultimamente? “É muito inspirador ver bandas e artistas da Noruega ganhando reconhecimento mundo afora, nós acreditamos que isso pode incentivar jovens e talentosos artistas noruegueses iniciantes a continuarem na música. É muito legal ver música de um país tão pequeno quanto a Noruega se conectando com o resto do mundo“.

No que depender deles, essa conexão da Noruega com o mundo vai ocorrer o mais rápido possível. O grupo revelou que seu maior sonho é embarcar em turnês internacionais e fazer o máximo de shows para o máximo de pessoas. Já podemos começar a campanha #CometoBrazil?

Para encerrar, eles deixaram um recado especial para todos os Rocknbolders: “Ouçam nossas músicas bem alto, tomem uma cerveja, e festejem como se não houvesse amanhã. Amamos vocês”.

OUÇA:
Total
0
Shares
Related Posts
Leia mais!

O atômico impacto de Debbie Harry

Debbie Harry é um ícone no maior sentido da palavra. Durante o fim dos anos 1970 e começo dos anos 1980, ela era a rainha do new wave e a queridinha do punk rock, sendo um dos rostos mais conhecidos da indústria. Da música ao cinema e de arte a moda, Harry vem deixando sua marca na história desde então.