Gravado dentro seis semanas, Charli XCX apresenta seu quarto álbum expressando todos os sentimentos dos tempos atuais. Isolada em Los Angeles com seu namorado e seus dois melhores amigos, a cantora britânica tenta se conectar com quem está dividindo a quarentena e também com seus fãs.

Após o lançamento do seu álbum “Charli” ano passado, a artista entrou em uma fase de consolidação de sua carreira. Não que antes ela não fosse reconhecida, mas ainda estava em busca do seu própria estilo. Após o lançamento do animado “Vroom Vroom EP”, Charli XCX encontrou o caminho que deveria seguir, através do energético e futurístico PC Music.  Assim, ela se tornou a principal porta-voz do gênero no mainstream, introduzindo produtores como SOPHIE e A. G. Cook para o grande público.

Após duas mixtapes explorando esse som, Charli finalmente definiu o gênero como o mais interessante do pop atual com seu disco lançado em 2019. Com o “Charli”, ela conseguiu expressar todos os seus sentimentos através de sua voz distorcida de tanto auto-tune. Faixas como “Thoughts” e “I Don’t Wanna Know” não poderiam ser cantadas por outro artista além dela.

Dessa forma, Charlotte Aitchison entra em 2020 com um objetivo: lançar dois discos de estúdio. Em novembro, ela anunciou em seu twitter que tinha grandes planos para o novo ano e que já estava em estúdio trabalhando neles. No entanto, a crise do Covid-19 pegou todos de surpresa, inclusive, no mercado musical. Com o isolamento, a artista começou a elaborar qual seria sua resposta à pandemia e, assim, decidiu lançar “how i’m feeling now”, seu álbum de quarentena desenvolvido ao lado de seus fãs.

Através de reuniões semanais pelo Zoom, lives pelo Instagram e enquetes em suas redes sociais, a artista usou todo o seu espaço na internet para criar o álbum junto com a sua fanbase. Por exemplo, em momentos de bloqueio criativo, Charli perguntou aos fãs como poderia terminar a letra da música “anthems” e a ajuda foi adicionada ao disco.

Da mesma forma que “Next Level Charli”, faixa inicial de seu disco anterior, introduz o ouvinte a um universo de festas e carros – e uma letra até meio sem sentido – para depois entrar nas emoções da artista no resto da obra, “pink diamond” chega para cumprir esse papel. Produzida por A. G. Cook, a música de dois minutos de duração é um belo exemplo do que é o PC Music e como Charli está familiarizada com o gênero. Sua voz se mistura com naturalidade às batidas eletrônicas bem pesadas. É a música certa para começar o disco, a cantora sabe como seus fãs querem ser recebidos e ela entrega um prato cheio de como inovar e produzir.

Depois da euforia inicial do disco, passamos a entender quem é Charli XCX. Em todos os seus trabalhos ela nunca teve medo de expressar seus sentimentos, no entanto, em “how i’m feeling now” eles são diferentes. Normalmente em suas músicas ela fala sobre um relacionamento que ela almeja ter ou que já terminou e ela está tentando superar/reconstruir. Contudo, em seu último lançamento ela se dedica a expressar todo o seu amor e a felicidade de estar em um relacionamento sério. “forever” é sobre não ter medo de passar os altos e baixos da vida com seu namorado, pois eles serão eternos, mesmo que isso inclua longas turnês ou até uma pandemia. Na faixa, A. G. Cook está acompanhado do produtor BJ Burton, que já trabalhou com artistas como Bon Iver e Banks.

Ao se mostrar apaixonada logo na segunda faixa da obra, a cantora continua por esse caminho. Em “claws”, ela conta que gosta muito de Huck, seu namorado, mesmo que seja da forma mais pegajosa possível, repetindo a frase “I like everything about you” durante quase toda a música. Para realizar esse feito, ela convida o produtor Dylan Brady, um nome em ascensão no PC Music e com quem Charli já havia trabalhado no início do ano, em um remix do grupo dele, o 100 gecs.

A música é sobre coisas banais, como é bom gostar muito de uma pessoa e curtir cada momento juntos. Charli XCX é uma artista que sabe se expressar da maneira mais honesta e simples possível. Repetir a mesma frase não cansa quando ela mostra que aquilo realmente faz sentido para ela.  Desde letras complicadas e cheias de metáforas até somente dizer que gosta de alguém, ela canta acreditando na mensagem que quer passar.

Na mesma linha, temos “7 years”, uma das faixas mais esquecíveis do álbum. Nela, Charli reflete sobre todos os seus momentos com Huck, namorando ele ou não. Mesmo assim, a faixa não é tão inspiradora quanto as outras. “detonate” e “enemy” também entram nessa parte do disco que é um balde de água fria. Até a quarta faixa, acompanhávamos uma jornada em que ficávamos empolgados em entrar dentro do mundo da cantora, mas essas três faixas se mostram um pouco entediantes. O ouvinte percebe que elas possuem potencial, mas não são executadas da melhor forma.

Em “i finally understand” vemos o isolamento voltando como tema principal, como o momento atual a fez se aproximar do namorado. Em entrevista, ela relatou que a quarentena está sendo um momento de refletir sobre seu relacionamento e sua vida, fazendo com que ela finalmente entenda quem ela é no meio disso tudo.

Já em “party 4 u”, A. G. Cook e Charli recuperam uma demo antiga, que já vinha circulando na internet desde 2017. A música conta sobre realizar uma festa grandiosa, com mil balões e música alta, lembrando O Grande Gatsby. No livro, o personagem de Jay Gatsby realiza festas extravagantes para chamar a atenção de apenas uma pessoa. No decorrer da faixa, percebemos que o objetivo dela é de querer estar com Huck, visto que antes da quarentena eles viviam praticamente um relacionamento à distância. “party 4 u” é mais um exemplo de como se abrir sobre seus sentimentos é fácil para a cantora.

As reflexões sobre seu relacionamento ganham uma pausa e a saudade dos amigos vira o tema central em “c2.0” e “anthems”. A primeira é uma nova versão de “Click”, do seu trabalho anterior. Uma característica da Charli é que ela sempre está colaborando musicalmente com seus amigos, tanto que dentro das quinze músicas de seu disco passado, haviam treze participações. Ao revisitar a canção que ela compôs com Kim Petras e Tommy Cash, ela canta “I miss them every night, I miss them by my side”. Ao contrário da versão original que é sobre como seu grupo de amigos é foda, em “c2.0” ela conta como sente falta de estar com eles.

A explosão musical produzida por Danny L Harle e Dylan Brady que é “anthems” serve para complementar a mensagem que a artista quer passar em “c2.0”. Nela, Charli canta sobre esperar que esse momento de isolamento termine, para ela poder festejar com seus amigos. O objetivo da faixa é ser a trilha sonora, um hino, para uma noite após a quarentena em que ela e os amigos vão se divertir muito.

Para terminar tudo em festa, temos “visions”. Em uma faixa direcionada para as raves, a artista se coloca um pouco de lado e deixa seus produtores brilharem. É a melhor forma para termina o álbum, agradecendo o ouvinte que percorreu todos os altos e baixos dos últimos meses com ela.

O público reconhece Charli XCX como uma grande artista e, mesmo assim, em “how i’m feeling now”, ela mostra estar sempre disposta a inovar. Durante uma pandemia global, ela conseguiu reunir seus produtores e gravar um disco de onze faixas bem estruturadas, que mesmo não sendo uma obra-prima e possuindo algumas falhas devido a pressa do lançamento, apresenta todos os seus sentimentos desse período conturbado. É incrível como a artista consegue expressar todas as suas emoções de uma forma tão vulnerável e sem parecer pedante. Ao ousar em seu último lançamento, Charli XCX se firma como um gênio da música pop.

8/10