Por Luiza Lemos*

Com letras voltadas para o amor e incertezas da vida, a banda traduz a juventude em 2021

Um cara comum, com angústias comuns. Esse é Lauro, o personagem que estampa a capa do novo álbum de O Grilo: Você Não Sabe de Nada. Depois de um EP repleto de experimentações, a banda retorna com um álbum contando com 13 músicas, destas, os singles Trela, Contramão e Meu Amor são os destaques do álbum. Voltado para as angústias da juventude, de se apaixonar, quebrar a cara e passar pelas fases do luto romântico, a banda une estilos musicais pelos quase 38 minutos de álbum. 

Começando com Trela, um dos singles, Lauro é despedaçado. Ele se apaixona, pensa em casar mas volta para casa só. Como um homem conquistado por Iara, Lauro se afoga e se perde no amor da sereia, a história é contada com uma guitarra alegre, mas com um solo sofrido, com o protagonismo do baixo e uma bateria forte, mostrando a insatisfação na música. Logo depois, somos transportados para Guitarrada, em uma troca rápida de estilo musical: do pop ao forró de guitarra.

O investimento da banda na riqueza musical é algo notável, principalmente em uma banda composta de paulistanos, que poderiam cair na mesmice de fazer um álbum com uma cara mais metropolitana. Você Não Sabe de Nada é rica em estilos musicais brasileiros, um puro suco de Brasil. Na Guitarrada é possível ver a viagem pelo país que a banda faz: a troca do forró, para um reggae, para rock e logo uma risada de Pedro Martins. 

A banda tem grande influência do samba, vide o lema ‘Make Brasil Sambar Again’. Em Contramão, saímos de um final animado da Guitarrada para um samba ritmado pela bateria. A complexidade musical é notável logo nessas três primeiras músicas, que utilizam a total capacidade dos instrumentos e da habilidade dos integrantes. 

E claro, sempre é possível ter mais uma pitada de angústia no Lauro, Brasil em 2021 né? Em Tudo e Mais Um Pouco, as rasteiras da vida que o personagem leva são acompanhadas de uma melodia leve, levadas pela guitarra de Gabriel Xavier, que como a vida de qualquer brasileiro, fica pesada de uma hora para outra. 

Apesar de todo o suco de Brasil e as misturas, o álbum é conciso e tem uma troca de faixas até harmônica. A energia das quatro primeiras músicas cai em Meu Pior Amigo e Infinito, que termina com a frase: ‘tenho sede de viver, sonhar sem sofrer’. A energia do álbum e a positividade vai retomando gradualmente a partir de Você Não Sabe de Nada, levando a segunda parte do álbum – como os integrantes classificaram em entrevista à Rolling Stone – a letras mais leves e alegres, terminando em Onde Flor, cheia de sentimento de carnaval e Malabarista de Granadas. Mostrando que apesar de difícil e cheia de pedras pelo caminho, a vida adulta pode ser leve, mas há momentos em que tomamos tiros de fuzil da vida – e tá tudo bem. 

O Grilo

Apesar das letras fortes, O Grilo apostou em refrões chicletes e que caem bem nas redes sociais. Um pouco diferente do EP, mas com a mesma qualidade musical, o álbum tem este ponto que para quem curte algo sem muito refrão marcante, não vale. Mas apesar do uso de refrões, a riqueza das melodias faz com que as faixas não pareçam repetitivas.

Bem, nem tudo precisa ser tão complicado e frenético. Por isso, aproveite o final de semana, pegue uma tônica, um copo de gin e aproveite o novo álbum de O Grilo.

*Luiza Lemos está no último ano de jornalismo na Universidade Metodista. Atualmente escreve sobre entretenimento e comportamento no portal iG