Dave Grohl se consolida como excelente contador de histórias em “The Storyteller”

Cativante coleção de memórias do ex-Nirvana e atual Foo Fighters, Dave Grohl, mostra o lado emocional de ser um dos maiores astros do rock mundial

52 anos que mais parecem 104, várias vidas vividas em apenas uma; é essa a impressão que se tem quando se analisa a trajetória de vida de Dave Grohl até agora: de largar o ensino médio para tocar em uma banda de punk a se tornar baterista do Nirvana aos 21 anos, ter uma subida meteórica ao estrelato com o álbum Nevermind e uma queda igualmente rápida com o fim da banda, até, alguns anos mais tarde, encontrar-se com o sucesso novamente, vendendo milhões de discos, conquistando 12 Grammys e esgotando shows em arenas ao redor do mundo com o Foo Fighters.

Estes são apenas alguns dos temas relatados na obra “The Storyteller – Tales of Life and Music” (que em português seria algo como “O Contador de Histórias – Contos da Vida e Música“).

Lançada em 05 de outubro de 2021, a obra autobiográfica conta com 384 páginas de puro entretenimento e sinceridade. A forma como Grohl narra os acontecimentos extraordinários de sua vida é bastante instigante e prende a atenção do leitor, o que talvez possa ser explicado pelo seu DNA, já que tanto Virgínia quanto James, pais de Dave, são descritos no livro como “escritores brilhantes”.

Talvez este fato não surpreenda fãs do Foo Fighters, já que a banda sempre foi conhecida pela qualidade de seus versos e letras, mas o fato é que, desde seu lançamento, “The Storyteller” se tornou sucesso mundial e atualmente é best-seller em primeiro lugar de vendas só nos Estados Unidos e Reino Unido.

Em entrevista recente a The Sunday Times Magazine, Dave conta que pensava na possibilidade de escrever um livro há algum tempo e que esse ideia se fortaleceu após sua página no Instagram “@davestruestories” começar a ganhar notoriedade. O embargo para o projeto acontecer parecia ser a falta de tempo, já que Grohl mantinha uma rotina agitada, incluindo os ensaios para a grande turnê de comemoração dos 25 anos do Foo Fighters que deveria acontecer em 2020.

Com a pandemia e o consequente cancelamento da turnê, o multipremiado e talentoso artista teve o tempo de que precisava e começou a escrever seu livro. Além de histórias incríveis e interessantes, como a em que Dave conta como conheceu Elton John por acaso, no meio de uma rua em Londres, o livro se destaca pela forma intimista e lúdica que o autor narra os fatos: você sente como se estivesse viajando pelas memórias de Grohl junto com ele, como se ele estivesse confidenciando especialmente a você todas as coisas inacreditáveis que já viveu.

Não falaremos muito sobre o conteúdo do livro aqui, para não soltar spoilers mas, sem dúvidas, alguns trechos especiais que merecem ser mencionados são: todos os capítulos das partes I e II – “Setting The Scene” e “The Buildup“, que contam os inícios do jovem Dave Grohl na música, revelando detalhes curiosos nunca revelados antes; o trecho em que ele discorre, de forma cândida, como sua filha Harper recebeu sua primeira aula de piano de ninguém menos que Paul McCartney, além de, claro, o emocionante capítulo em que fala sobre seu colega de banda e amigo, Kurt Cobain.

Dave comentou em uma entrevista ao The Graham Norton Show que precisou se trancar em um hotel de Nova Iorque, sozinho, por 2 dias, para conseguir escrever o capítulo sobre Cobain, porque, para ele, até hoje ainda é doloroso falar sobre a morte do vocalista do Nirvana, que foi por longos anos seu melhor amigo.

Uma história que o diretor, musicista, compositor, e, agora, escritor, compartilha tanto em seu livro quanto em entrevistas recentes é que, logo após o falecimento de Kurt, ele decidiu se isolar em um cidadezinha da Irlanda e ficar lá por um tempo, para “tentar esquecer sua dor“. Um dia, enquanto dirigia por uma estrada deserta e interiorana, viu um viajante pedindo carona. Ao se aproximar, Grohl escreve que “percebeu que não havia como fugir do passado“: o andarilho vestia uma camisa com a fotografia de Kurt Cobain. Dave conta que percebeu que se até ali, em um dos lugares mais remotos que conhecia, ele ia ser confrontado com a morte de seu amigo, que então ele precisava retornar aos Estados Unidos e voltar a trabalhar e fazer musica. Pouco tempo depois, o Foo Fighters nasceu.

The Storyteller” tem o equilíbrio perfeito entre humor e seriedade, e mostra com frequência como Dave Grohl lida com a dualidade entre ser um “rockstar” e um pai bastante presente e próximo das filhas (como no trecho em que o americano conta que, em dois dias, realizou uma espécie de “bate e volta” da Austrália para os Estados Unidos enquanto enfrentava uma intoxicação alimentar séria só para poder participar do um evento da escola das filhas). Apesar de Grohl não aceitar a alcunha, “The Storyteller” parece apenas evidenciar ainda mais porquê ele é conhecido por seus fãs e pela mídia como “o cara mais legal do rock“.

O livro pode ser adquirido por fãs brasileiros pela Amazon, apenas em inglês, já que por enquanto, não há previsão de lançamento de uma versão traduzida para o português.

Total
19
Shares
Related Posts