Melim e a carta de amor a Djavan em “Deixa Vir do Coração”

Dando continuidade a um ano produtivo, o trio Melim lançou na última sexta-feira o álbum Deixa Vir do Coração, que dá uma nova roupagem a treze canções do acervo de um dos maiores nomes da música brasileira de todos os tempos, Djavan. O álbum chegou justamente na véspera da data mais romântica do ano, o Dia dos Namorados, marcando a primeira fez que os hits do artista receberam uma releitura num formato totalmente digital.

O título do trabalho, Deixa Vir Do Coração foi ideia do produtor musical do álbum, Max Viana, filho do próprio Djavan, que é na realidade um dos versos retirados da música Se. Além disso, o cantor homenageado ainda participa de uma das faixas do disco, cantando ao lado dos irmãos em Outono.

“É uma gratidão à prazo, a gente ainda tá digerindo essa notícia de uma maneira ótima”, relata Diogo Melim sobre a participação do cantor no álbum durante a coletiva de imprensa virtual que o ROCKNBOLD teve a oportunidade de participar. “O mais bonito de tudo é ver que de alguma forma podemos ser o canal de conexão para o público mais jovem que não conhece a fundo a obra de Djavan”, complementa Gabi Melim, na mesma ocasião. “É um álbum-homenagem de coração, voz e violão ao vivo, a esse artista que é tão importante para nós, para a música e para o mundo.”

O processo de produção do trabalho ocorreu de forma bem natural. Ídolo há tempos dos irmãos, Djavan é trilha sonora de ônibus de turnês e reuniões familiares, então quando a ideia surgiu durante um bate-papo entre a banda, não houve dúvidas em dar início ao projeto em homenagem ao cantor.

“Esse projeto, diferente dos outros, não teve muito marketing em cima. Era pra cantar e ser feliz cantando, só de poder ter a honra de gravar as músicas dele já foi incrível”, relatou Rodrigo Melim.


Sobre a seleção do repertório do álbum, os irmãos não negam ter sido “bem difícil”. “A gente deixou [de fora] algumas que a gente queria muito gravar mas infelizmente existe uma limitação de faixas — mas, ao mesmo tempo que foi difícil foi muito especial. A gente não queria gravar só os grandes hits, só o que todo mundo conhece”, continua o cantor.

Djavan tem uma obra muito vasta e a gente seguiu escolhendo músicas que a gente gosta e que influenciaram nossa vida e carreira. Quando chegamos no limite mínimo eram 20 faixas, mas quando fomos gravar tivemos que reduzir para 13 faixas”, complementou Diogo.

O trabalho é realizado em voz e violão, mecanismo que o trio está acostumado a utilizar ao longo de sua carreira. Para dar um toque audiovisual ao trabalho, a Melim ainda disponibilizará semanalmente no YouTube os vídeos das faixas gravadas no Reuel Studios, na Ilha do Governador, Rio de Janeiro.

Sobre a participação especial do cantor no álbum, Gabriela Melim explica que qualquer faixa que ele escolhesse para cantar ao lado dos irmãos seria especial, mas no final das contas, a decisão acabou ficando para Outono. “É um Lado B do trabalho dele, acho que ele escolheu algo que não era cantado por todo mundo e nem tão popular pra dar esse ar de ineditismo com a gente, apesar de ser uma música que toca muito na rádio”, explica a vocalista. “Essa música tem tudo a ver com Deixa Vir do Coração, tem uma frase que diz ‘tudo é viável para quem faz com prazer’, e fala muito sobre essa nossa parceria e como chegamos a isso”, complementa o irmão Rodrigo.

Desafios e a ajuda de Max Viana

“Uma coisa é você gostar, outra coisa é você se propor a fazer um álbum com canções tão complexas”, relata Diogo. “Na hora de cantar, a gente notou que não tinha percebido muitas coisas: quebras de ritmo, notas… a ajuda do Max contou muito nisso”, refere-se o músico à presença do produtor musical e filho do homenageado no estúdio durante todo o processo de gravação.

“Max Viana é um cara que além de muito talentoso é muito vibe boa, humilde e dedicado. A escolha do Max para produzir veio do fato de ele conhecer muito bem a obra do pai por completo, tocou por anos na estrada e nos trouxe a segurança de que a homenagem agradaria ao Djavan, que escolheríamos as músicas certas e que cantaríamos com exatidão todas as letras, melodias e harmonias vocais. Max também conhece o nosso trabalho desde o começo, na verdade até antes de nós três nos juntarmos e nos apresentarmos como Melim. Temos uma relação de amizade e admiração mútua, por isso ele era a pessoa perfeita para realizar o trabalho”, pontua Rodrigo Melim.

Melim " Deixa vir do coração " | foto: divulgação

O 2020 e 2021 da Melim

Por mais que a pandemia de COVID-19 tenha afetado agenda de shows e diversos outros compromissos musicais que, usualmente, são realizados de maneira presencial, a Melim permaneceu bem produtiva durante o período.

A banda lançou o disco Eu Feat Você no ano passado, trazendo faixas que merecem destaque como a que dá nome ao trabalho, o single GeloCantando eu Vou com o cantor Saulo, Relax que traz a participação especial de Rael e Cabelo de Anjo que oferece uma verdadeira mistura de gerações do pop brasileiro com a presença de Lulu Santos na música. O trio também chegou a gravar participações especiais nos trabalhos de outros nomes da mesma safra do pop nacional, como OUTROEU e no álbum de estreia da cantora Ana Gabriela.

Leia mais:

A continuação de Eu Feat Você chegou no início de 2021 com o trabalho Amores e Flores, que conta com sete faixas, incluindo os destaques Possessiva, a que dá nome ao disco e Teu Céu, com a participação especial do rapper Projota.

Deixa Vir do Coração completa uma discografia que agora conta com quatro trabalhos de estúdio. O disco está disponível nas plataformas digitais. Confira:

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts
Leia mais

Origin of Symmetry: 20 anos de um dos melhores álbuns do Muse

Vinte anos após a concepção do trabalho mais audacioso do trio de Teignmouth, Origin of Symmetry ganha um som reimaginado no relançamento "XX Anniversary RemiXX", além de um novo e grandioso significado no coração dos fãs. O disco se consagra como a evolução necessária e ambiciosa que escreveu o nome do Muse na história do rock, marcada pela ousadia e megalomania de três mentes que se recusavam a fazer mais do mesmo.