Com retorno de Frusciante, Red Hot Chili Peppers faz o básico em ‘Unlimited Love’

Sucessor de “The Getaway” marca a volta do guitarrista clássico à banda.
Capa do álbum Unlimited Love, Red Hot Chili Peppers
Capa do álbum “Unlimited Love”, do Red Hot Chili Peppers, lançado em 2022

A volta de John Frusciante ao Red Hot Chili Peppers foi anunciada em 2019. Desde então, fãs esperam por um novo trabalho triunfal que marcasse o retorno do casamento entre um dos maiores guitarristas da história da música e uma das maiores bandas do rock. Três anos se passaram e aqui temos Unlimited Love.

O décimo segundo álbum do RHCP

São 12 álbuns e quase 40 anos de carreira. O Red Hot Chili Peppers já tem o nome gravado na história da música e principalmente do gênero. Inclusive, recentemente a banda ganhou uma estrela na calçada da fama. Com toda essa história, é difícil saber inovar. E mais do que isso: será que é preciso?

“Unlimited Love” tem mais de uma hora de duração, mostrando que os californianos vieram com vontade. A banda teve muito tempo pra produzir as canções após a volta de Frusciante e com a pandemia da Covid-19 de “bônus”. Os músicos revelaram também que gravaram muito mais material do que o divulgado.

O single “Black Summer”, lançado em fevereiro juntamente de um clipe eletrizante, é uma ótima canção. Na sequência dos lançamentos, “Poster Child” tem o baixo de Flea como grande destaque e mais a romântica “Not The One”.

LEIA TAMBÉM:

É preciso inovar?

Durante todas os discos que produziu, o Red Hot Chili Peppers caminhou por vários lados e os maiores fãs sabem. Diante disso, Unlimited Love é um prato cheio pra quem gosta. Como já dito, não há grandes novidades.

John Frusciante voltou bem, o vocal de Anthony Kiedis também passa longe de decepcionar e a bateria de Chad Smith está em boa forma com a banda. Flea, aqui, é destaque. Em “These Are The Ways” e “It’s Only Natural”, os quatro têm grande sintonia. A primeira, favorita de muitos, é realmente excelente, tanto sonoramente quanto na letra de caráter crítico.

Na questão novidades, a questão que fica é: o Red Hot Chili Peppers é uma das poucas bandas de uma outra geração que ainda estão de pé e mantém o gênero vivo. Por consequência, para trazer alguma sonoridade nova e conquistar novos fãs, teriam que se adequar a nova indústria. Não me parece ser algo que fariam, muito menos algo que precisem fazer.

O álbum é uma grande mistura do que já fizeram durante esses quase 40 anos. O ouvinte que conhece a discografia pode ter a impressão em algumas canções que está em “Californication” ou “Stadium Arcadium”. Ou, então, até nos primeiros discos, mais voltados ao funk bass.

Pra quem iniciou o século XXI ao som da banda e conhece a história destes músicos, a décima segunda obra é uma cereja do bolo. Pra aqueles que sempre curtiram, mas estão em busca de novidades: não é aqui o lugar. Entretanto, é preciso lembrar que este é só um começo, segundo a própria banda. John Frusciante acabou de voltar e com certeza tem muito material pra mostrar.

O amor como temática

Voltado pela letras “românticas”, o amor como temática foi uma boa sacada. A estética vermelha, juntamente do clipe de Black Summer, dá uma energia a mais. A intenção é mesmo voltar às origens.

Entretanto, avaliando as líricas, a impressão que fica é o “amor ilimitado” foi algo que acharam em comum no meio de tantas canções arquivadas. Outro aspecto para esse “achismo”: a banda nunca teve um forte em singularidade nos álbuns.

Destaque para as canções: “Aquatic Mouth Dance”, “The Heavy Wing” e “Bastards Of Light”.

Expectativas pro futuro

A turnê do Red Hot Chili Peppers está em andamento. A ver como as novas canções vão soar ao vivo para velhos e novos fãs. Além disso, a vontade dos músicos para fazer grandes shows também precisa ser observada. No Brasil, os últimos não foram lá essas coisas.

A expectativa é que a volta de Frusciante dê um gás. O RHCP tem, claro, muito pra mostrar e nunca é bom subestimá-los. Que o próximo trabalho não demore muito.

Ouça “Unlimited Love”.

3/5
Total Score
Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts
Leia mais!

O baldado retorno do McFLY

Após anos em hiato, banda britânica lança primeira nova faixa desde retorno; "Happiness" funciona como uma tentativa válida de homenagear sua fanbase, mas falha ao tentar se modernizar comercialmente