Qual a melhor maneira de contestar o cotidiano, criticar o governo, exteriorizar o ódio e a revolta de uma vida reprimida e precária, que não seja através da música? Bom, esse é o combustível que os caras do Escombro, banda paulistana formada em 2016 vem queimando sem precedentes de tanque vazio. O grupo é formado por Lucas “Jota” Ferreira (vocais), Renato Romano (guitarra), Igor Simões Fugiwara (baixo) e Felipe “Felipeles” Luchini (bateria); com dois trabalhos de estúdio e alguns singles na estrada, eles mostram a revolta e a esperança de dias melhores em suas canções. Além de fazer a diferença no cenário musical de hardcore, o Escombro também é criador da iniciativa/festival “Hardcore Por Um Mundo Mais Digno”, que foi realizado pela primeira vez em 2017 e hoje conta com três edições em seu catálogo e daquele jeito: rompendo as barreiras entre o palco e a plateia para um mundo melhor e mais digno pra se viver.            

Hoje, dia 7 de agosto, os caras soltam na pista seu terceiro trampo de estúdio, intitulado Cicatrizes, no qual a equipe do ROCKNBOLD teve acesso com exclusividade 3 semanas antes do lançamento, e pôde assimilar a força e a atitude provenientes do grupo. E para falar sobre ele, particularidades da banda e sobre o futuro, trocamos uma ideia com o vocalista Felipe Jota, só descer a page e conferir!

Foto: Divulgação / @artsayeg

Rocknbold – “Cicatrizes” é o terceiro trabalho de estúdio, além de alguns singles espalhados ao longo dos anos. Qual o sentimento de dar vida a mais um trabalho da banda?

Felipe Jota – Esse trabalho em específico, traz um sentimento de prosperidade e renovação, tanto no humor da banda, quanto na sonoridade da mesma! Estamos muito felizes com o resultado do EP, espero que gostem!

Rocknbold – Da pra perceber nitidamente nas composições do Escombro, a revolta e a raiva com o cotidiano. Além disso, quais os outros combustíveis que movem a banda?

Felipe Jota – A revolta e a raiva vêm de problemas como a desigualdade social, a falta de atenção na saúde, educação. Nesse EP, quisemos colocar o interlocutor no lugar do eu lírico. Falando em primeira pessoa, podemos abordar os sentimentos que os problemas sociais geram, como a frustração, o cansaço e a falta de oportunidade de crescimento.

Rocknbold – Analisando a construção das músicas, da pra perceber uma mudança de pegada bem característica para esse EP “Cicatrizes”. Como é o processo de criação do Escombro?

Felipe Jota – O processo de criação do EP Cicatrizes foi diferente dos demais lançamentos. As linhas de bateria já estavam prontas, e em poucos dias, o Renato compôs as linhas de cordas do EP. Já compusemos músicas, todos juntos; já compusemos, primeiro o instrumental, depois encaixamos a letra, já compusemos com a letra como base pro instrumental. Não tem uma regra! Basta chegar numa sonoridade que nos agrade.

Rocknbold – O novo trabalho chega com muito sangue no olho, porém, em um momento que não dá pra ter troca de energia com o público. Quais meios vocês vão utilizar, além das redes sociais pra fazer essa troca?

Felipe Jota – Por ora, contato apenas digital! É um momento delicado e não queremos expor nosso público a um perigo desse porte. Continuaremos em nossas redes socias (as mais ativas são Instagram, YouTube e Facebook), divulgando nosso som para que em breve possamos correr estrada a fora.

Foto: Divulgação / @artsayeg

Rocknbold – Na metade do ano passado a banda, mais especificamente o vocalista Lucas Ferreira, foi conduzido para depor após exercer seu direito constitucional de liberdade de expressão, causando um certo tipo de foco na banda. Qual a sensação e a posição da banda quanto ao ocorrido que não teve só isso como exemplo, mas que ocorre em diversas partes do país?

Felipe Jota – Sensação de injustiça, pois ele não fez nada de errado, inclusive houve uma retratação pública no ato, por solicitação de um oficial. Sabemos que a Polícia Militar brasileira é despreparada, além de ser a que mais mata no mundo, mas essa violência não nos causa medo, causa revolta. Não nos iremos nos calar, foda-se qualquer tentativa de censura.

Rocknbold – Pra gente fechar, quais os planos da banda após o lançamento do EP “Cicatrizes”?

Felipe Jota – Recentemente, fechamos parceria com o selo australiano “10-54”, Seven eight life o selo uruguaio “Crecer Records”. Não vemos a hora de poder retomar os shows, e armar uma tour por lugares que ainda não passamos.

Além do Escombro, existem diversas outras bandas que exercem papéis similares ao contestar o que é errado para a nossa sociedade, além, é claro, de se posicionar e mostrar o lado certo da moeda. Se você também está cansado do cotidiano, de reprimir sentimentos e ouvir tudo de boca fechada, deixa a trilha sonora dos caras guiarem a sua evolução, pode ter certeza que vai ser libertador. Toda a discografia deles vocês encontram nas principais plataformas de streaming. Vida longa ao hardcore por um mundo mais digno!

OUÇA!

LEIA MAIS: