O pop mundial vive um bom período em 2020. Mesmo com a pandemia e a impossibilidade de dançar sua música favorita nas pistas de dança, o gênero conseguiu se manter no topo das paradas e conquistar ainda mais espaço nas playlists. Parte dessa “culpa” é do TikTok, visto que o aplicativo foi o responsável por impulsionar o sucesso de inúmeros artistas que ainda eram desconhecidos pelo grande público. Outros culpados são os artistas já reconhecidos que lançaram ótimos álbuns no ano, como Dua Lipa e The Weeknd. Mas qual a relação disso com o K-Pop?

No dia 26 de outubro, o TWICE lançou seu segundo álbum de estúdio. Eyes Wide Open possui 13 faixas misturando diversos gêneros, mas seus momentos de glória estão, principalmente, quando as nove meninas do grupo mostram que souberam absorver os grandes hits do ano.

Queridinhas da Coreia do Sul, o TWICE é reconhecido por suas músicas carismáticas e o talento de suas integrantes. Desde que debutaram, o grupo já possui inúmeros hits, milhares de fãs e uma carreira bastante consolidada. Do início em 2015 com o seu pop fofinho e cheio de mensagens românticas, como em “TT”, “Heart Shaker” e “CHEER UP”, passando por um período de transição sonora em 2018 com “What is Love”, elas passaram a mostrar seu amadurecimento em 2019, através de singles como “Feel Special” e “Fancy”.

Agora, com todo esse caminho percorrido, Eyes Wide Open é o novo capítulo do girlgroup. Abrindo com o single “I CAN’T STOP ME”, as meninas apresentam uma das melhores músicas do ano. Inspirada nas partes grandiosas do Future Nostalgia, a JYP Entertainment deu para o grupo uma canção com um synth-pop agitado direto dos anos 1980, impactante e, o melhor de tudo, confiante. Com um refrão memorável e fácil de cantarolar, o grupo se impõe como uma potência do pop mundial, através de seus grandes vocais – liderados por Jihyo e Nayeon –  e presença marcante com seus passos de dança super sincronizadas e linhas de rap bem executadas.

Inclusive, usar “potência do pop mundial” é necessário para falar do álbum. Grupos como BTS e BLACKPINK (que já ganhou uma review aqui no ROCKNBOLD), são reconhecidos em todo o globo, conseguindo até se apresentar nos maiores programas da televisão norte-americana. O TWICE ainda não possui todo esse alcance fora do seu país, mesmo sendo o principal grupo feminino da Coreia do Sul. Porém, elas não se amedrontam diante disso. Já possuem grande força dentro do mercado fonográfico japonês, no ano passado, fizeram sua primeira turnê mundial e em 2020 a música “MORE & MORE” contou com uma versão em inglês. “I CAN’T STOP ME” é um sinal de que estão dispostas a seguir batalhando por espaços cada vez maiores e colocando todo o talento nisso.

Outro destaque é “UP NO MORE”, uma das mais interessantes da obra. Seguindo o estilo retro e mais uma vez antenadas com os acontecimentos atuais do pop, a música se assemelha bastante a “Say So” de Doja Cat, um dos principais hits do ano. Mesmo com os elementos em comum, ainda há espaço para as integrantes surpreenderem seus ouvintes. Entretanto, Eyes Wide Open não fica preso somente nesse conceito de nostalgia dos anos oitenta. Na realidade, diversos gêneros além do pop com um toque disco são explorados.

TWICE
Foto: Reprodução

Um bom exemplo é “HELL IN HEAVEN”, faixa que explora ritmos latinos, outra que vai nessa pegada é “GO HARD”, mas também explora todo um lado eletrônico. No caso, a música eletrônica é a mais presente na obra, tendo a faixa “BRING IT BACK” trazendo batidas eletrônicas pesadas em seu refrão. Já “DEPEND ON YOU”, “DO WHAT WE LIKE”, “BELIEVER” e “QUEEN” são canções perfeitas para o TWICE, não são exageradas na produção e dão maior destaque para o vocal das nove integrantes. O resultado é bom de ouvir, tanto que ao mesmo tempo que você quer cantar com elas – até sem entender uma palavra de coreano -, também fica um gostinho de querer se levantar e dançar cada segundo delas.

Porém, a partir de um certo momento da tracklist, as músicas começam a não conversar entre si. Em nenhum momento há uma faixa ruim, mas a transição entre elas pode ser exaustiva ou até decepcionante. Temos o caso de “SHOT CLOCK”, que é alegre e bem parecida com o que o grupo apresentou no início da carreira. O problema é que na sequência vem “HANDLE IT”, com um R&B que não tem nenhuma relação com a anterior.  Outro exemplo está na transição entre as duas últimas faixas. Enquanto “SAY SOMETHING” é sensual e cativante, “BEHIND THE MASK” é uma música ultra sentimental. O ouvinte não tem espaço para poder transitar entre as emoções.

No geral, as trezes faixas entregam o esperado pelos fãs nesse comeback, além disso, um fato interessante é que parte das integrantes participaram das composições do álbum. Conseguindo perceber a direção da música pop atual, Eyes Wide Open é o resultado de um bom planejamento e execução somado ao talento e carisma das nove integrantes do TWICE.  

8/10