Nas últimas semanas, o universo do k-pop vem absorvendo o anúncio do novo grupo da SM Entertainment. Primeiro, pela surpresa em relação a novidade, visto que é o primeiro girl group da empresa desde 2014, quando o Red Velvet debutou. Segundo, é seu conceito, que contará com a integração entre a realidade e o mundo virtual. Através do aespa, uma nova forma de se consumir pop coreano pode surgir – ou não.

A dúvida realmente fica em relação ao que o grupo pode apresentar.  A ideia de integrar membros reais com animados não é atual, tanto que o Gorillaz está em atividade desde o início dos anos 2000. No próprio universo do k-pop já existe um grupo virtual. O K/DA é formado por quatro versões de personagens do jogo League of Legends e elas já foram dubladas por cantoras como Madison Beer, Bea Miller e integrantes do grupo feminino (G)I-dle, entretanto, ao contrário do aespa, elas não possuem uma forma física no mundo real.

A grande questão é que o anúncio do grupo deixou os fãs de k-pop confusos e preocupados. O nome do grupo é uma combinação de “æ” que expressa “Avatar X Experience” e a palavra “aspect” que significa ambos os lados. Dessa forma, fica claro que as atividades do grupo irão envolver o tema de experimentar encontros das integrantes com o seu outro eu, seus avatares. O próprio fundador da SM Entertainment, Lee Soo-man, apresentou o grupo como parte de algo que ele sempre sonhou, um futuro centrado em celebridades e avatares, transcendendo as fronteiras entre os mundos real e virtual.

Através do aespa, uma nova experiência de entretenimento surge, com uma narrativa que envolverá as quatro integrantes também interagindo e se comunicando por meio do mundo virtual. Como apresentado no vídeo acima, além de uma interação, cada menina será integrada ao seu avatar, com ele também participando das promoções das músicas, entrevistas, possíveis shows virtuais e muito mais.

Quem são as quatro integrantes?

aespa

A primeira integrante anunciada foi Winter, a sul-coreana de dezenove anos foi trainee durante três anos e irá ser a lead dancer, vocalista e visual do grupo. Depois veio ao público Karina, a líder. Ela será a dançarina principal e rapper, além disso, ela já é reconhecida pelo público, pois no ano passado participou das promoções da música “Want”, do projeto solo de Taemin do SHINee. A mais nova das quatro é Ningning, a chinesa de dezoito anos será a principal vocalista. Por último, a japonesa Giselle atuará no grupo como rapper principal e sub-vocalista, tendo treinado apenas por um ano na SM Entertainment. Cada uma delas será acompanhada por sua versão virtual.

O debut com “Black Mamba”

No dia dezessete de novembro, a primeira música do grupo foi apresentada. “Black Mamba” é uma canção pop com elementos da música eletrônica, nada muito diferente do que já é apresentado hoje em dia no pop coreano. Contudo, isso não faz com que a música seja genérica ao ponto de não ser boa, ela é interessante de ouvir e o refrão fica imediatamente preso na cabeça. Mesmo assim, “Black Mamba” soa simples demais para um debut que fez tanto alarde nas últimas semanas. Por exemplo, uma linha de rap entraria perfeitamente na música e adicionaria um elemento a mais para surpreender o ouvinte, mas não foi o que rolou.

Na parte da letra, ela fala sobre a relação das meninas com seus avatares e, de acordo com o que pode ser interpretado pela canção, as quatro integrantes perderam suas conexões com suas versões virtuais, pois elas foram bloqueadas por “Black Mamba”. No caso, o vilão da faixa é uma cobra venenosa que se torna um obstáculo, envenenando o mundo da aespa. Com uma letra cheia de referências ao seu próprio mundo criado, quem não parou para ler e entender o conceito do girl group não irá entender o que elas estão apresentando.

Para o MV, podemos interpretá-lo como uma divisão dos mundos, o primeiro, onde as meninas estão fisicamente, é colorido, fofo e apaixonante. O segundo aparece quando somos inseridos a realidade dominada pelo “Black Mamba”. Karina está aparentemente infectada pelo vilão e nos mostra um mundo sombrio onde ele domina. No final do clipe, os avatares aparecem enfrentando a enorme cobra, deixando em aberto o que virá a seguir.

Respondendo positivamente a ansiedade de seus fãs, aespa entrega bem seu conceito inovador, com as quatro meninas cativando os ouvintes e os deixando inquietos para o que o grupo pode apresentar em suas próximas ações.