Yungblud é um artista que não sai das playlists e dos corações jovens. No meio de uma pandemia, tinha tudo parar começar seu ano já em destaque: o lançamento de “Weird” (que saiu com leve atraso, mas ainda em 2020); muitos festivais e uma agenda de shows lotada! Infelizmente, muitos planos foram adiados, mas nem tudo foi perdido. O ano caótico em que nosso conforto veio da música, teve o acalento (não tão calmo) da voz do Dom e todas as suas ações que aproximou ainda mais o artista dos fãs.
Para quem ainda não está entendendo nada, nosso post especial do artista para o Lollapalooza está recheado de informações preciosas sobre esse cantor que ainda pode ser considerado carne nova no rock AQUI.

Yungblud e suas várias faces em "Weird!"
Capa parcial de “Weird!”

Lives para os fãs, eventos e colaborações com outros artistas

Ao longo da quarentena, Yungblud entregou aos fãs conteúdos novos sempre que pode, para manter sua relevância e para permanecer conectado com a sua fã-base. Escalado para tocar no Lollapalooza Brasil, além de outros shows na América Latina e Ásia, seus planos iniciais foram cancelados/adiados por conta da pandemia. Aqui no Brasil, tocaria logo após o Terno Rei no palco Budweiser, um show que abriria as atrações internacionais do palco. Por conta da COVID-19, os planos foram adiados, mas o artista sairia na frente em algo que todos fariam: Shows em formato de livestream. Um ótimo exemplo foi o “THE YUNGBLUD SHOW LIVE”, que aconteceu no YouTube em 16 de março e em uma hora reuniu alguns amigos como Machine Gun Kelly, Bella Thorne e Oliver Sykes 17 horas depois que a cidade entrou em lockdown. A #theyungbludshow chegou ao primeiro lugar nos trending topics mundiais no Twitter e gerou uma grande conexão com os black hearts.

Além da live, a partir de 27 de abril lançou a primeira temporada do “Stay Home With: YUNGBLUD”, uma minissérie com quatro episódios disponíveis todas as segundas-feiras até 18 de maio e, novamente, sempre com convidados ou desafios. Aparentemente, o cantor gostou de apresentar um talk show.

Não suficiente, anunciou uma turnê virtual global “THE WEIRD TIME OF YOUR LIFE TOUR”, com 16 shows que seriam experiências únicas, para diferentes locais do mundo. As pessoas poderiam comprar ingressos para todas as datas, mesmo não sendo do país e houve pré-venda de ingressos para aqueles que compraram antecipadamente seu álbum.

Na primeira metade do ano, Yungblud participou NME Awards 2020, onde além de ganhar na categoria “Best Music Video” com o videoclipe de “Original Me” (com Dan Reynalds, vocal do Imagine Dragons), apresentou “braindead!”, descendo na plateia e atravessando a multidão e surfando logo em seguida, de tirar o fôlego! Em maio esteve no Late Late Show at home performance, já tocando o primeiro single e homônimo do álbum, “Weird!”.

Na segunda metade, em 8 de novembro aconteceu o MTV EMA, ganhou na categoria “Best Push Act” (Melhor Descoberta) e fez a performance de “cotton candy” e “strawberry lipstick” em um medley. Em 18 de dezembro o Virgin Atlantic Attitude Awards deu mais um prêmio ao Dom, na categoria “The Gamechanger Award” e contou com a apresentação ousada de “strawberry lipstick”, “cotton candy” e “weird!”. E como 2020 ainda não acabou, na sequência dos dias 8, 9 e 10, saiu a Vevo Studio Performance das músicas “superdeadfriends”, “mars” e “it’s quiet in bervely hills”, respectivamente, Ainda em dezembro, no dia 22, uma entrevista para a categoria “Video Breakdown – Vevo” foi feita com o Dom, onde ele explica sobre alguns clipes do novo álbum, lançado dia 4 do mesmo mês.

As colaborações ajudaram a esquentar o clima para o álbum que estava nascendo. Abril foi movimentado, além do projeto com lives, teve o remix de “City Of Angels”, música originalmente do 24kGoldn, agora com participação do Yungblud. Em agosto, mês seguinte ao single de “strawberry lipstick”, “Lemonade” foi a colaboração com Denzel Curry, uma junção de hip hop com rock interessante. Em menos de um mês, a parceria com Bring Me The Horizon foi bem recebida pelos fãs, “Obey” faz parte do álbum “POST HUMAN: SURVIVAL HORROR” e ganhou clipe.

“Weird!”: O segundo álbum da carreira de Yungblud!

O segundo álbum veio com leve atraso: de 13 de novembro para 04 de dezembro. Infelizmente o atraso veio por conta da produção tardia nas cópias físicas de LPs. O adiamento não modificou o caminho dos singles, que vieram de maneira antecipada para os fãs de Dom. “Weird!”, música que dá nome ao álbum veio aos ouvidos do público em abril, entre uma Live e outra. No dia 22 conhecemos a canção e já no dia 27, assistimos ao clipe. Para não perder o ritmo, manter seus fãs conectados e não deixá-los desamparados em tempos estranhos, “Strawberry Lipstick” foi a segunda faixa divulgada, em 16 de julho e desde então conquistou o coração de muitos fãs. O visual punk e o cabelo trazem a rebeldia , mas o toque pop do vestido icônico da Union Jack (marca registrada da Ginger Spice, do Spice Girls) numa versão 2020, mostra a união de referências que muitos jovens atualmente usam em seus estilos pessoais. Já na melodia, possui características que flertam fortemente não só com o punk, mas com o rock também e a batida marcante transformou-a em um marco do álbum. Setembro veio com mais um presente, “god save me, but don’t drown me out” traz em um pop punk a mensagem central do álbum, a autoaceitação e a jornada de descoberta pessoal, a tentativa de encaixar-se num padrão, muitas vezes sem saber o motivo.

A segunda música do álbum chegou para nós em outubro e foi a quarta música do projeto que pudemos escutar. “Cotton candy” além de clipe com um cupido rockstar, ganhou também uma versão acústica. Remetendo a outro tema central do álbum, principalmente a liberdade sexual e autoaceitação, a música ressalta sobre como a nossa geração lida com sexo e a importância de celebrar as interações sexuais sem vergonha para se encontrar, se entender e descobrir seus gostos. Sonoramente, tem um riff que flertaria com “The Less I Know The Better” do Tame Impala, mas em uma versão de pop rock anos 2000, que os britânicos do The 1975 já trouxeram em trabalhos anteriores. Em novembro, “mars” trouxe uma carga emocional que se conectou com muitos fãs. Uma das faixas mais sensíveis do projeto, teve inspiração na história de uma fã em que os pais não a entediam. Aa melodia com construção suave, mas crescente que transborda antes do último refrão tem um arco onde termina com Yungblud gritando por todo o esgotamento emocional e mental de uma geração de jovens como público com quem ele conversa. Antes do lançamento oficial, uma última música, “acting like that” com o Machine Gun Kelly fechou as expectativas de forma alta, com um pop punk contagiante, voltando a origem do artista, onde o rock predominava suas produções, com a elaboração do refrão soando como Metro Station.

As batidas eletrônicas e a combinação de rock, pop punk, emo e hip hop (explorados anteriormente por artistas como Twenty One Pilots) com a voz raivosa e inconfundível do artista faz com que ele se torne, aos poucos, uma figura da cultura pop. Um álbum energético, explosivo e emocionante do início ao fim.
Sobre o projeto, “Weird!” fala muito ao longo das músicas sobre aceitação, drogas, sexualidade e as diferentes faces da vida do jovem adulto, temas já abordados em canções anteriores. A alma do álbum está na facilidade de conectar em suas músicas o Yungblud com seu público, como o Dom consegue captar e entender aqueles que o admiram. Mais significativo do que as letras, são a direção de arte, roteiro e elementos visuais dos vídeos, que agregam o toque teatral que todos os jovens possuem, com a maioria das referências que ele compreende, o que facilita o processo de identificação no trabalho do artista também.

Muitos aguardam os próximos passos do artista não somente por tudo que ele está representando aos jovens, mas também qual será o papel dele para a cultura. Yungblud conseguirá manter seu diálogo aberto pela próxima década? Ansiamos por seus próximos passos.